Os olhos grandes e salientes são uma das características morfológicas mais evidentes da faneca. Também a cor bege-escura mais acentuada no dorso, cabeça e barbatanas constitui um aspecto distintivo desta espécie.

A faneca é capturada por diferentes artes de pesca, mas a maior quantidade provém dos arrastões. O tamanho médio situa-se ao redor de 25 cm, mas o tamanho mínimo legal de captura é de 17 cm.

Tem uma carne muito branca, que se separa em lascas, e uma textura muito firme que faz a delícia de muitos dedicados apreciadores.

A faneca é tradicionalmente consumida frita, daí a designar-se peixe dos quatro efes: “Faneca, Fresca, Frita, Fiada”.

Pode ser também cozida, mas os mestres cozinheiros têm criado outros pratos requintados que valorizam este peixe de aspecto modesto.

Trata-se de um peixe com um baixo teor em gordura, nível médio de proteína e baixo teor de colesterol.

 

Faneca escalada sobre batata doce caramelizada e algas

  

Ingredientes (4 Pessoas):

8 fanecas escaladas

800gr de batata

Salicórnia

Camarão cozido

Cebolinho picado

Funcho picado

1 cebola em meias luas

3 dentes de alho picados

Azeite q.b

Lima 4uni

Molho de soja q.b

Mel q.b

Sal

Pimenta Preta

Tempo de confeção 1h

Confeção:

Marinar a faneca escalada em sumo e raspa de lima, molho de soja e mel e reservar no frio.

Lavar a batata doce, esfregar com sal e levar ao forno a assar 30 a 45 min (varia com o tamanho da batata) a 180 graus.

Hidratar as algas.

Descascar e cortar a batata doce em cubos grandes e caramelizar as mesmas numa frigideira com mel. Reservar.

Numa frigideira, fritar o alho, adicionar a cebola, em seguida o camarão cortado em cubos e por último a salicórnia. Fora do lume adicionar as ervas.

Colocar a faneca num tabuleiro e levar ao forno (pré-aquecido a 180 graus) durante 10 minutos.

Empratar as algas, em seguida a batata doce, o camarão e por ultimo a faneca. Ferver os líquidos da marinada, emulsionar e servir o molho à parte.

 Receita elaborada por: Chef José Serrano

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill