As novas embalagens são produzidas a partir de algas marinhas criadas em aquicultura, nutritivas e constituem uma alternativa às embalagens tradicionais de plástico
Evoware
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

David Christian, um indonésio de 25 anos, criou uma start-up, a Evoware, que produz uma embalagem não poluente, à base de algas marinhas comestíveis e que constitui uma alternativa às embalagens plásticas tradicionais, revelam vários meios de comunicação internacionais.

 

Trata-se de uma nova solução para embalar produtos de forma responsável, biodegradável, e até mais saudável para o corpo humano, cujo impacto é também positivo para os agricultores locais da Indonésia, contribuindo para a sua subsistência.

 

O novo produto da empresa Evoware é dissolúvel em água quente, tornando-o um produto 100% biodegradável e comestível, servindo também como fertilizante natural para as plantas. Tem dois anos de vida útil (em local seco e fresco), é nutritivo (contém fibras, vitaminas e minerais) e pode ser personalizado para ter diferentes sabores, cores e nomes de marcas.

 

Uma solução cómoda, tem formas que se adequam a cada tipo de alimento, desde saquetas para temperos, cereais, café em pó, arroz, ou embalagens para hambúrguer. O novo produto pode ser também usado para embalar outros produtos como barras de sabão. Esta é uma solução de futuro para reduzir o volume de plásticos no oceano.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill