Descoberto navio de escravos na Cidade do Cabo com nacionalidade portuguesa, e naufragou com escravos a bordo

Os historiadores desconfiam que a embarcação dedicada ao comércio de escravos partiu de Moçambique e dirigia-se para o Brasil, para levar a “mão-de-obra” para as plantações de açúcar.

Transportando entre 400 e 500 negros acorrentados no porão, o navio nunca terá chegado a completar a travessia de quatro meses. Depois de dobrar o Cabo da Boa Esperança, o São José Paquete de África embateu em rochedos.

O capitão português sobreviveu, bem como a tripulação e metade dos escravos que se encontravam a bordo. Calcula-se que 212 escravos tenham morrido no naufrágio, que se deu no final de Dezembro de 1794.

«Este é o primeiro de que temos conhecimento que se afundou com pessoas escravizadas a bordo», comunica Lonnie Bunch, director-fundador do Museu de História Afro-Americana, que vai abrir em Washington no próximo ano e que irá expor objectos resgatados do naufrágio.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill