Uma vez mais, jactos russos sobrevoaram de forma considerada pouco profissional e mesmo perigosa, um Destroyer da Marinha Norte-Americana, o USS Porter, em trânsito no Mar Negro.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Neste primeiro incidente da era Trump, os jactos russos realizaram três aproximações ao destroyer norte-americano, de forma considerada pouco profissional e perigosa, mantendo os transponders desligados e abstendo-se de qualquer resposta via rádio.

No incidente, ocorrido a 10 de Fevereiro, os jactos ter-se-ão aproximado do USS Porter a menos de 200 metros, numa manobra muito semelhante à verificada o ano passado no Mar Báltico com o USS Donald Cook.

Embora entendido por especialistas como uma pequena provocação por parte da Rússia aos Estados Unidos, o incidente não é reputado nem de importante nem significativo. O que agora verdadeiramente preocupa os especialistas é a instalação, pela Rússia, de novas bases de mísseis de cruzeiro SSC-8 no interior do seu território russo, violando o Tratado de 1987 de Armas Nucleares de Médio Alcance, bem o ensaio entretanto realizado na sequência dos testes realizados em conjunto pelo Japão e os Estados Unidos de intercepção de mísseis balísticos a partir de um navio, tanto do desagrado de Moscovo quanto de Pequim.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill