A instituição recebeu os animais que foram resgatados e reabilitados pelo Alaska Sealife Center
Oceanário
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Oceanário de Lisboa recebeu dois novos habitantes – duas lontras-marinhas (machos juvenis) nascidas no Alasca em 2017. São provenientes do Alaska Sealife Center, um centro de recuperação de animais marinhos, que as resgatou e reabilitou, e chamam-se Odi e Kasi, nomes “derivados dos locais onde foram encontrados”, esclarece o Oceanário de Lisboa.

As duas lontras-marinhas fazem companhia às fêmeas Micas e Maré, “nascidas no Ocenário há 18 e 20 anos, respectivamente”, refere o Oceanário de Lisboa, cujo apoio “foi vital para garantir todos os cuidados necessários para a sobrevivência” dos dois jovens machos “após o seu resgate”.

Segundo Núria Baylina, Curadora e Directora de Conservação do Oceanário de Lisboa, “o processo de adaptação das lontra-marinhas correu como esperado. Estiveram em quarentena 30 dias, em constante monitorização, até estarem perfeitamente adaptadas às novas condições. A introdução no habitat do Pacífico e a aproximação às duas lontras-marinhas fêmeas foram um sucesso”.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill