Numa iniciativa para abrir o seu arquivo documental à consulta pública, a Marinha tem vindo a desclassificar milhares de documentos ao longo dos últimos sete meses
Marinha
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Desde 10 de Fevereiro, quando foi activada, a Comissão de Desclassificação de Documentos da Marinha “já analisou mais de 6.700 documentos, maioritariamente do fundo COLOREDO – Moçambique”, tendo desclassificado a maioria, referiu a Marinha. A iniciativa insere-se numa política de “abertura da Marinha à sociedade e aos cidadãos” e vai ao encontro do “elevado interesse público, reflectido em muitos pedidos de consulta”, explica a Marinha.

Segundo a Marinha, a comissão “funciona na dependência directa do superintendente das Tecnologias da Informação e agrega vogais de diversos organismos da Marinha, nomeadamente do Centro de Documentação Informação e Arquivo Central da Marinha, da Biblioteca Central da Marinha e do Estado-maior da Armada”.

Desde que iniciou funções, a comissão “procedeu a uma apreciação da documentação existente nos diversos fundos que constituem o acervo dos Arquivos tem realizado e tido em atenção também o levantamento do enquadramento legislativo e regulamentar”, refere a Marinha.

A instituição acrescenta que essa avaliação incidiu especialmente sobre os documentos com mais solicitações de acesso e “foi fundamental para elaborar um Plano Anual de Desclassificação da documentação que, além de priorizar os fundos a avaliar, definiu uma meta anual de documentos a analisar pertencente a 1.400 Unidades de Instalação do fundo documental COLOREDO: Moçambique | Angola | Guiné | Timor”.

A Marinha considera que “este património arquivístico conserva a memória da Marinha, nas suas múltiplas actividades – pessoal, navios, organismos, infraestruturas e legislação – e em áreas geográficas diversificadas, ao longo dos últimos 277 anos”, acrescentando que permitirá estudar “temas tão diferentes, como por exemplo a saúde, a ciência, novas tecnologias, construção naval, pescas, marinha mercante e de recreio, a sociedade”.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Greenfest

    Setembro 28 - Outubro 1
  2. Logística e Cadeias de Abastecimento

    Outubro 11 @ 9:30 - 18:00
  3. 1ª Feira e Congresso Trabalhar num Navio

    Outubro 19 @ 11:00 - 19:30
  4. MOST Iberia 2017

    Outubro 21 - Outubro 24
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill