O Ministério da Defesa anunciou já a construção de dois novos navios Patrulha Oceânica a entregar aos Estaleiros West Sea de Viana do Castelo

O Ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar Branco, anunciou a construção de dois navios patrulha oceânica, no âmbito da nova Lei da Programação Militar (a última datava de 2006), prevendo-se que a mesma venha a ter lugar nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, subconcessionados à West Sea.

Recorde-se que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), empresa pública em fase de extinção, construíram anteriormente dois navios para a Marinha Portuguesa num investimento de cerca de 100 milhões de euros: o NRP Viana do Castelo entregue a 2011 e o NRP Figueira da Foz em 2013.

A construção destes dois navios foi parte de uma encomenda inicial de oito navios, assumida em 2004 pelo Ministério da Defesa e, entretanto revogada pelo actual executivo, para substituir a frota de corvetas com 40 anos de serviço.

Efectivamente, os navios patrulha oceânica têm como principais missões a garantia da segurança e autoridade do Estado e missões de interesse público (nas quais se encontram, por exemplo, o apoio humanitário na sequência de desastre natural) nas áreas de jurisdição ou responsabilidade nacional. São navios com grande capacidade para operar em alto mar e enfrentar condições de mar adversas, possuindo uma autonomia considerável que lhes permite permanecer no mar em missão, sem necessidade de apoio logístico durante largos períodos de tempo.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill