Hélice da embarcação ficou presa nas redes de pesca.

 

Hoje de manha a Estação Salva-vidas (ESV) do ISN e o Comando-local da Polícia Marítima (PM) de Aveiro levaram a cabo uma operação de auxilio a um barco de pesca que necessitava de ajuda.

O Travesso, com seis pescadores a bordo, a navegar na zona da rebentação, a sul de Aveiro, ficou com a hélice presa em redes de pesca existentes na água.

A existência de redes condicionou o resgate. Fez com que o único meio com capacidade para chegar perto da embarcação fosse a mota de água de salvamento marítimo. Tendo em conta este cenário foi accionado, pelo Capitão do Porto de Aveiro, uma embarcação salva-vidas do ISN, uma semirrígida da Polícia Marítima e uma mota de água também da ESV, operada por um agente da Polícia Marítima. Em terra a ajuda foi prestada por uma viatura da PM e pelos Bombeiros de Vagos. Adicionalmente, e através do Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), foram ainda accionados um Helicóptero EH-101 da Força Aérea Portuguesa e o NRP Figueira da Foz da Marinha.

As redes, devido à forte movimentação do mar, acabaram por se soltar da hélice, e a embarcação regressou a terra pelos próprios meios, com quatro pescadores a bordo (os outros dois foram evacuados pela mota de água. Chegados a terra os pescadores foram assistidos por uma ambulância dado que se encontravam em estado de choque e de má disposição.

As redes, deixadas na água, foram removidas pela moto de água do ISN com auxílio do mestre da embarcação, para evitar novos incidentes do género.

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill