pirataria

O chamado “Rei dos Piratas Somalis”, Mohamed Abdi Hassan, conhecido por Boca Grande, foi condenado a 20 anos de prisão pelo Tribunal Criminal de Bruges por envolvimento no sequestro da draga belga MV Pompei em 2009, informa o jornal World Maritime Nwes, citando a agência noticiosa Belga.

Mohamed Abdi Hassan, responsável pelo sequestro de dúzias de navios entre 2008 e 2013, também foi condenado pela prática de tortura e ao pagamento de 20 mil euros ao capitão holandês da embarcação. Espera-se que o arguido recorra da decisão, informa o jornal.

O seu cúmplice, Mohamed Moalin-Aden, foi condenado a cinco anos de prisão por participação em organização criminosa, mas absolvido de envolvimento no sequestro.

O navio em questão foi sequestrado a cerca de 105 quilómetros das Ilhas Seychelles com 10 tripulantes a bordo em Abril de 2009. Os tripulantes foram mantidos reféns durante dois meses até ao pagamento de um resgate de 2 milhões de euros.

O “Rei” dos piratas foi detido na Bélgica, na sequência de uma operação secreta que o atraiu ao país sob o pretexto de participar num documentário baseado na sua vida. A operação durou meses até ao final e contou com a colaboração de um suposto cúmplice.

Ironicamente, conforme relatava o The Independent em 2013, por ocasião da sua detenção, Mohamed Abdi Assan reclamava estar do lado da justiça, depois de ter anunciado a sua “reforma” numa conferência de imprensa na qual se apresentou como um executivo que abandonava um cargo de administrador e considerava a pirataria um “negócio sujo”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill