Evento gerou cerca de 1,3 milhões de euros em receita fiscal e mais de 9 milhões de euros em volume de negócio.

Aquela que é a etapa do principal Circuito Mundial de Surf (WSL CT) realizada em Portugal, mais precisamente na praia de Supertubos, em Peniche já definiu, definitivamente, o país como um destino de surf. A prova está o crescente número de visitantes estrangeiros, assim como nos números de exposição do Moche Rip Curl e ainda no impacto económico do evento.

O estudo sobre os impactos, desenvolvido pelo Núcleo de Investigação em Surfing do Grupo de Investigação em Turismo da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar estipulou que a edição de 2015 gerou cerca de 1,3 milhões de euros em receita fiscal e mais de 9 milhões de euros em volume de negócio. Para se ter uma percepção a despesa média individual total, considerando o somatório de portugueses e estrangeiros, foi de 77,42 euros. Sendo que os estrangeiros efectuaram o maior gasto, com os valores a fixarem-se nos 148,78 euros – sendo que a maioria dos números se refere ao alojamento.

De referir que os números divulgados pelo estudo não incorporam os nem o patrocínio dos sponsors nem o ganho em termos de imagem (exposição mediática).



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill