Em Dezembro, José Eduardo dos Santos assinou contratos com grupo italiano

Em Dezembro último, Angola assinou diversos contratos com o grupo italiano Finmecanicca para aquisição de dois navios patrulha, radares e seis helicópteros, destinados reforçar a sua capacidade de vigilância marítima. Este material irá equipar um centro nacional e três centros regionais de vigilância marítima.

Um dos contratos, no valor de 7,3 milhões de euros, envolve a aquisição de dois navios patrulhas rápidos, construídos pela Whitehead Sistemi Sibacquei, uma filial do grupo Finmeccanica. O acordo envolve ainda formação.

Um segundo contrato, foi assinado com a Selex ES, filial do mesmo grupo italiano, para instalação de estações de radar e sistemas de comunicação ao longo da costa angolana.

Finalmente, foi firmado outro contrato com a AgustaWestland, filial da Finmecanicca Helicopters, no valor de 90 milhões de euros (segundo dados da LUSA de Outubro de 2015), para fornecimento de seis helicópteros à Marinha angolana em 2017.

Com 1.600 quilómetros de costa, Angola não dispõe de meios suficientes para efectuar toda a vigilância necessária, segundo alguns analistas, que referem que a frota angolana compreende, essencialmente, pequenos navios patrulha fornecidos por Espanha e França.

Entretanto, as dificuldades financeiras decorrentes da queda do preço do petróleo já levaram ao congelamento de um acordo com o Brasil para aquisição de sete novos navios patrulha



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill