José Apolinário anunciou que o Governo vai promover alterações legislativas e parcerias
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Nos próximos 12 a 18 meses, o Governo quer promover alterações legislativas profundas e parcerias com os municípios, visando dotar as autarquias de maior capacidade de intervenção no âmbito das infra-estruturas de náutica de recreio, sugeriu ontem, na Nauticampo, o Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, durante a apresentação de um estudo sobre o impacto económico da actividade encomendado pela Docapesca a uma equipa de investigadores da Universidade do Algarve.

“A nossa perspectiva é que dando corpo a contratos de gestão e transferência de competências, a área da náutica de recreio deve ser mais interligada com o desenvolvimento urbano”, referiu José Apolinário, acrescentando que para isso será preciso agir no plano legislativo e criar ou aprofundar parcerias com os municípios.

Igualmente presente entre os oradores da sessão, Delfim Barreira, da Direcção-Geral de Estabelecimentos Escolares, anunciou que no âmbito do Programa Nacional do Desporto Escolar da Direcção-geral de Educação, o Governo pretende dar resposta às necessidades de equipamentos e infra-estruturas ligadas à formação em desportos náuticos. Nesse contexto, já terão sido adquiridos para este ano lectivo um conjunto de embarcações, incluindo 100 caiaques K1.

O mesmo responsável destacou também a importância dos centros de formação desportiva na formação e prática de remo, canoagem, vela e surf, adiantando que actualmente existem 31 destes centros sediados em agrupamentos escolares de todo o país e que o objectivo é aumentar esse número para 50 até ao final de 2017.

A apresentação do estudo sobre a náutica de recreio, moderada por Eduardo Almeida Faria, foi também uma oportunidade para debater os desafios e oportunidades desta actividade com um conjunto de oradores, que incluíram, além do coordenador do trabalho, Fernando Perna, e de Delfim Barreira, a directora da Marina de Vilamoura, Isolete Correia, o presidente da Câmara Municipal de Peniche, António José Correia, o investigador do INESC TEC, Rui Campos, um dos responsáveis pelo projecto AlgarExperience, Pedro Bacalhau, e Martinho Fortunato.

Entre os temas que mereceram a atenção dos oradores, estiveram, entre outros, as vantagens e desvantagens dos fundeadouros, o destino dos monos nas infra-estruturas da náutica de recreio, o papel do desporto escolar na formação náutica dos jovens, a importância do mercado externo para a actividade e as potencialidades de desenvolvimento do sector.

 



2 comentários em “Governo quer mais intervenção de municípios na náutica de recreio”

  1. Se não mudarem a politica na nautica de recreio vai ser um prejuizo enorme para muita gente que depende dela para sobreviver. Estou disposto a ajudar no que for possivél para mudar o sistema actual para um melhor. Com os melhores cumprimentos, Joao Horta

  2. Daniel Leal diz:

    Quando acordarem para a náutica de recreio e o “cluster” do mar, talvez já não haja uma única embarcação de recreio registada em Portugal. Nas marina ondulam maioritariamente os pavilhões holandeses e belgas. IUC em queda, seguramente!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

Não existem eventos agendados de momento.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill