Exercício dedicado aos veículos não tripulados conta com a presença da Marinha portuguesa
Recognized Environmental Picture Atlantic Exercise
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Até 23 de Setembro, decorre em Sesimbra e Peniche a 9ª edição do Recognized Environmental Picture Atlantic Exercise (REP), um dos maiores exercícios de experimentação de Veículos Não Tripulados da Europa, organizado conjuntamente pela Marinha Portuguesa, o Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática (LSTS) da Universidade do Porto e o Centre for Maritime Research and Experimentation da NATO.

Num total de duas semanas de exercícios, os veículos autónomos são testados “em mar aberto, com vista a avaliar a capacidade operacional em redes multi-veículo, tanto de natureza homogénea, como heterogénea (com tipologias distintas de veículos)” em experiências “realizadas de acordo com planos de missão específicos, atendendo a cenários operacionais particulares”, explica a Marinha.

A Marinha Portuguesa, aliás, participa no REP “através do submarino Arpão, do navio hidrográfico Almirante Gago Coutinho, do navio hidrográfico Auriga, da lancha de fiscalização Escorpião, da lancha de fiscalização Pégaso e com um Destacamento de Mergulhadores vocacionado para a guerra de minas”, refere a instituição.

Esclarece ainda a Marinha que nesta edição “Autoridade Marítima Nacional, Polícia Marítima, Força Aérea Portuguesa, Centro Naval de Guerra Submarina (EUA), Laboratório de Investigação Aplicada da Universidade do Havai (EUA), OceanScan – Sistemas e Tecnologias Marítimos Lda (Portugal), NATO Naval Mine Warfare Centre of Excellence (NMW COE), Marinha Polaca, Oceanserver, INESC-TEC – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, Tekever e Uavision, também participarão no exercício como intervenientes convidados, contribuindo com recursos e pessoal”. “Como observadores participam a Marinha Turca, a Guarda Costeira do Canadá e o Maritime Analysis and Operation Centre (Narcotics) MAOC (N)”, acrescenta a Marinha.

Segundo se esclarece, as operações incluem Veículos de Superfície Autónomos (ASVs), Veículos Submarinos Autónomos (AUVs) e Veículos Aéreos Não Tripulados (UAVs), equipados com sensores variados e payloads acústicos, colocados em acção a partir de navios da Marinha. “A interoperabilidade no comando e controle de vários tipos de sistemas é um dos principais objectivos que, entre outras coisas, inclui a demonstração da cadeia de ferramentas de software LSTS”, diz a Marinha.

Igualmente importantes neste exercício são as comunicações subaquáticas, dado que o CMRE está a “testar novas técnicas adaptativas que permitem aumentar a eficiência e segurança das comunicações acústicas subaquáticas” e também, em ambiente de operação, o JANUS – o primeiro standard para comunicações subaquáticas, usado para “fazer chegar dados operacionais a um submarino em navegação”, diz a Marinha.

 

NOTA: Foto retirada do portal oficial da Marinha



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário WavEC 2018

    4 Dezembro, 2018 - 5 Janeiro, 2019
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill