Localização estratégica, a sua importância ao longo dos séculos e a ligação às Descobertas foram determinantes para a atribuição dada pela Comissão Europeia.
Ponta de Sagres

 

A Comissão Europeia revelou, no passado dia 2 de Dezembro a lista actualizada da Marca do Património Europeu (European Heritage Label). Aquela que é uma distinção reservada apenas aos “sítios que celebram e simbolizam os ideais, os valores, a história e a integração europeus” recebeu nove novos locais.

Portugal, Croácia, República Checa, Áustria, Estónia, Hungria, Bélgica, Polónia e França foram os países que foram contemplados na lista. São eles o sítio pré-histórico Neanderthal e o Museu Krapina (HR), o Castelo Premyslid e o Museu Arquidiocesano de Olomouc (CZ), o Palácio Imperial (AT), o Conjunto Histórico da Universidade de Tartu (EE), a Academia de Música Franz Liszt (HU), o Mundaneum (BE), o Cemitério n.º 123 da Frente Oriental da II Guerra Mundial (PL) e o Bairro Europeu de Estrasburgo (FR). Em Portugal o reconhecimento coube ao Promontório de Sagres, em Vila do Bispo, no Algarve que, agora, passa a exibir o selo cultural europeu.

Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), referiu que a atribuição a “um dos sítios mais místicos e o mais visitado de todo o Algarve é uma mais-valia para a promoção turística do destino”.

Este foi o primeiro ano que, segundo a Comissão Europeia, a participação foi aberta a todos os Estados-Membros da União Europeia que manifestaram o seu interesse em propor a um painel de especialistas sítios cuja importância contribuiu significativamente para a história e a cultura europeias. No total, e feitas as contas, foram analisadas 18 candidaturas.

O Promontório de Sagres foi o único projecto português a ser acolhido este ano. Sobre ele a Comissão Europeia refere:

A Ponta de Sagres apresenta uma paisagem rica do ponto de vista histórico e cultural situada no canto sudoeste da Península Ibérica. Nela se encontram vestígios arqueológicos significativos, estruturas urbanas e monumentos que atestam a sua localização estratégica e a sua importância ao longo dos séculos.

A Ponta de Sagres tornou-se o quartel-general do Infante Dom Henrique para o seu projeto de expansão marítima durante o séc. XV, um local da maior importância para o Período das Descobertas, período que marcou a expansão da cultura, das ciências, da exploração e do comércio europeus tanto para o Atlântico como para o Mediterrâneo, abrindo o caminho para a afirmação e projeção da civilização europeia, que veio a modular o mundo moderno.

De referir que, desde que foi criada, em 2013, a Marca do Património Europeu (European Heritage Label) já 20 locais ganharam a distinção de “Património Europeu”.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill