Sardinha foi o tema principal na reunião com o Executivo
PONG-Pesca

A PONG-Pesca (Plataforma de Organizações Não Governamentais Portuguesas sobre a Pesca) manifestou ontem, 11 de Fevereiro, o seu agrado “pela definição da quota de sardinha ibérica para 2016 respeitar o Princípio da Precaução estabelecido pelo Conselho Internacional para a Exploração dos Mares”.

A mesma plataforma, contudo, exige “que todo o processo seja claramente comunicado, não só aos intervenientes directos, como ao público em geral” e considera que “a quota agora definida – 14.000 toneladas – só deve ser aumentada se os dados científicos recolhidos durante 2016 comprovarem que este aumento não coloca em causa a sustentabilidade do stock da sardinha ibérica”.

Recorde-se que no dia 5 de Fevereiro representantes da PONG-Pesca estiveram numa reunião de trabalho na Secretaria de Estado das Pescas, durante a qual o tema da sardinha ibérica ocupou grande parte do tempo. Depois de conhecerem as medidas divulgadas pelo Governo na reunião, a PONG-Pesca congratulou-se com as mesmas.

A plataforma também recebeu com satisfação as indicações sobre a “tendência verificada para uma melhoria do estado do recurso”, mas considera importante recordar que a tendência deverá ser confirmada “pela informação recolhida nas campanhas científicas de 2016”. Qualquer alteração da quota deverá depender de prévia aprovação pelo Conselho Internacional para a Exploração dos Mares (CIEM), considera a PONG-Pesca.

Reconhecendo o desejo de que a sardinha recupere, Gonçalo Carvalho, coordenador da plataforma, nota que não devem esquecer-se os níveis ainda reduzidos dos stocks, pelo que as recomendações científicas devem ser seguidas com rigor. Finalmente, o mesmo responsável manifesta apreço pelo trabalho do IPMA, que considera merecedor de todas as condições para levar a cabo a sua tarefa.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill