Na sequência do acordo sobre a questão nuclear com as potências mundiais, o Irão pretende retomar a sua posição no mercado petrolífero internacional.

A maior transportadora iraniana de petróleo, a  National Iranian Tankers Company (NITC), prepara-se para regressar ao mercado internacional, na sequência do acordo sobre a energia nuclear iraniana firmado entre o Irão e os Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha (os P5 + 1). O acordo liberta as empresas do Irão, designadamente, a NITC, das amarras das sanções internacionais impostas em 2012 e permite o regresso do petróleo, mas também dos petroleiros iranianos, ao mercado.

De acordo com alguma imprensa internacional, representantes das autoridades iranianas terão admitido que o país pretende maximizar as suas exportações de crude para a Europa, onde espera reconquistar uma quota de mercado superior a 40%. Alguns analistas admitem que as exportações petrolíferas do Irão podem crescer até 60% no espaço de um ano.

Por outro lado, a frota iraniana tem 37 VLCCs (Very Large CRuise Carriers), uma das maiores categorias de super-petroleiros, capazes de transportar cerca de 2 milhões de barris, representando 5,8% da frota mundial deste tipo de navios, a que se juntam 12 Suzemaxes e 5 Aframaxes (mais duas classes de petroleiros, inferiores aos VLCC). Para retomar a sua posição no mercado, no entanto, os navios iranianos deverão adaptar-se aos padrões internacionais do sector.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill