Pequim está a planear a instalação de reactores nucleares no Mar do Sul da China como forma de promover mais rapidamente o desenvolvimento na região.

Segundo notícia do jornal China Securities, citado por vários órgãos de comunicação internacionais, Pequim está a planear a instalação de várias plataformas de produção de energia nuclear em mar aberto no Mar do Sul da China, como forma de promover o desenvolvimento na região.

Ainda segundo a mesma notícia, o primeiro reactor nuclear flutuante será montado pela China’ Shippbuilding Industry Corporation (CSIC), falando-se já a construção de um total de 20 plataformas equivalentes num futuro próximo, com o intuito principal de fornecer energia e água potável às Ilhas de Nansha, as disputadas Ilhas Spratly.

Interrogado sobre a questão, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Lu Kang, disse nada saber sobre os referidos planos.

De qualquer modo, as primeiras notícias sobre estes mesmos planos vieram a público em Abril passado e estarão a ser agora retomadas devido à decisão do Tribunal Arbitral de Haia mas, como também afirma o Reitor da Faculdade de Pesquisa de Energia da Universidade de Xiamen, ainda serão necessários muitos anos para que a tecnologia esteja desenvolvida, testada e passível de efectiva implantação e instalação.

Os reactores nucleares flutuantes foi uma tecnologia inicialmente surgida nos Estados Unidos nos anos 70 e mais tarde abandonada, tendo no entanto a Rússia anunciado o lançamento e demonstração da sua versão do mesmo conceito para o próximo ano.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill