Experiência do médico na frota bacalhoeira é “mostrada” numa iniciativa inserida nas comemorações do Dia Internacional dos Museus.
museu

A estreia está marcada para o dia 18 de Maio, no Museu Marítimo de Ílhavo que se associa à reedição da obra “Nos Mares do Fim do Mundo”, de Bernardo Santareno. Um trabalho que foi fruto da experiência como médico da frota bacalhoeira entre 1957 e 1959.

Adicionalmente à reedição, criada em parceria com a editora e-Primatur, serão eapresentados uma exposição e um projeto de teatro de comunidade dirigido pelo encenador Graeme Pulleyn e que terá por base a obra do escritor e dramaturgo que foi médico na frota bacalhoeira portuguesa.

 

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill