Os disparos do Patrulha da Marinha Britânica foram feitos para avisar que estava a perturbar as manobras de um submarino nuclear norte-americano.

Quando o submarino nuclear norte-americano USS Florida procedia a manobras para atracar em Gibraltar, um navio espanhol terá cruzado por duas vezes o seu perímetro de acção, levando um Patrulha Rápido da Marinha Britânica da Classe Scimitar, a proceder ao disparo de foguetes de aviso para o intimar a abandonar a área.

Um incidente que não é novo, antes pelo contrário, uma vez Madrid não reconhecer a ocupação de Gibraltar pelo Exército Anglo-Neerlandês em 1704, durantes a Guerra da Sucessão, tendo Inglaterra, pelo Tratado de Utrecht, a ocupar aquele istmo de capital valor geoestratégico na entrada do Mediterrâneo, violando assim, consecutivamente, o que os britânicos consideram ser águas sob sua jurisdição e que Madrid se recusa reconhecer como tal.

Um caso semelhante, embora inverso, ao da nossa Olivença.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill