Economia do mar de Setúbal em destaque
AICEP

Arrancou ontem mais uma edição do Roadshow Portugal da AICEP, no Parque Empresarial da Península de Setúbal, com uma primeira sessão dedicada à cooperação e coopetição (cooperação entre empresas concorrentes no mesmo mercado) das empresas da economia do mar de Setúbal.

Na ocasião, Miguel Frasquilho, presidente da AICEP, destacou o “elevado potencial da região na economia azul”, que se traduz em “infra-estruturas portuárias de qualidade e modernas, bons acessos para a distribuição e logística, disponibilidade de recursos marítimos, tradição industrial nos produtos de pescado e parques industriais com capacidade para acolher empresas de elevado valor”.

O mesmo responsável aproveitou para definir o modelo da edição deste ano do Roadshow Portugal Global, que abrangerá seis regiões do país com elevado potencial de internacionalização e uma proposta de valor – cooperação e coopetição – “uma estratégia chave para aumentar a presença das empresas portuguesas nos mercados externos”.

A internacionalização é, aliás, o propósito destas iniciativas da AICEP. E na edição de 2014, participaram mais de 14 empresas, mais de 100 oradores, foram abordados 17 mercados, visitadas mais de 90 empresas e tiveram lugar mais de 200 reuniões entre empresários e a AICEP. Até ao final deste ano, a AICEP pretende cobrir 66 mercados externos e esse objectivo está quase todo cumprido.

Outro dos oradores foi António Nogueira Leite, presidente do Fórum Oceano, que destacou constrangimentos e potencialidades da economia do mar portuguesa. Entre os primeiros, destacou o excesso de legislação, indefinição quanto à forma de resolução de conflitos sobre uso do espaço marítimo, pouca cooperação entre players, informação estatística insuficiente sobre o mar e afastamento dos centros de I&D.

Como potencialidades referiu, entre outras, a nossa posição geográfica, a qualidade do pescado nacional e do seu processamento, o dinamismo do sector conserveiro, a inovação em sub-produtos, a emergência de novos produtos com aplicação diversificada (por via das biotecnologias marinhas) e o potencial das energias renováveis marinhas.

Igualmente intervenientes foram Luís Pádua, Director de Corporate e Investimento da AICEP, Francis Vallat, presidente do European Networking Maritime Cluster, e António Silva, Director da AICEP em Paris. Houve ainda espaço para um debate com representantes da Artesanal Pesca, Docapesca, Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, Riberalves, Viatecla e Millennium bcp.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill