Uma das principais premissas que sustentam a tese do aquecimento global e conduzem às restrições impostas no transporte marítimo, é, simplesmente, falsa, segundo o cientista Fredrik Ljungqvist.

Fredrik Ljungqvist, Paleo-Climatologista da Universidade de Estocolmo, defende, num estudo publicado na revista Nature, ser falsa a premissa segundo a qual afirma ser o aquecimento global responsável pelas chuvas extremas verificadas ao longo do Séc. XX.

De acordo com o seu estudo, compreendendo um exame tão exaustivo quanto possível dos períodos de chuva ocorrida ao longo dos últimos 1 200 anos, verifica-se a ocorrência das secas mais extremas e dos mais drásticos períodos de chuva, serem muito anteriores ao momento em que o planeta começou a aquecer por acção humana com a queima dos combustíveis fósseis.

Mais do que isso, ainda segundo o mesmo cientista, as altas temperaturas atingidas no Séc. XX não podem também ser responsabilizadas pelas grandes chuvadas entretanto ocorridas entrelaçadas com as grandes secas porquanto, como a História e a pesquisa indica, os períodos em que as secas foram mais severas, foram no Séc. XII, um século quente, e no Séc. XV, um século frio.

O problema agora está em que todos os modelos de previsão climática assumem essa premissa e estão errados. A previsão climatológica é mais complexa, como refre ainda Fredrik Ljungqvist, e se o Painel da nações Unidas afirma, baseado em tais premissas, que as áreas secas irão tornar-se cada vez mais secas e as áreas húmidas cada vez mais húmidas, em resposta ao aquecimento global devido à emissão de gases com efeito de estufa, então talvez tenham que rever a sua posição.

A equipa de Estocolmo para o presente estudo englobou desde climatólogos, geólogos, historiadores e matemáticos, tendo compilado todos os dados possíveis sobre os períodos de seca e de chuva na Europa, Ásia do Norte e América do Norte, reconstruindo 12 séculos de clima, atendendo às evidências geológicas no que respeita aos fluxos de água, nível dos lagos, sedimentos marinhos, fluviais e lagunares, anéis das árvores e informações históricas.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill