Carlos Andrade, do Observatório Oceânico na Madeira, revelou no workshop da Universidade do Porto as condições da ilha

O representante do Observatório garante que a certificação está «pacífica» e o grande desafio agora é consolidar as espécies possíveis de cultivar com a tecnologia disponível ou por criar, pois as águas quentes, com estes factores, podem reduzir o crescimento das espécies de nove meses para um.

A espécie escolhida para esta exploração foi a dourada e o começo do negócio foi um projecto piloto, conseguido com avaliação pública, que gerou a procura por parte de empresas de piscicultura.

A vantagem, explica Carlos Andrade, é a temperatura superior a 16 graus das águas. As áreas marinhas protegidas da ilha também foram factor de consideração.

O representante do consórcio regional de entidades ligadas ao mar explicou que as condições das águas costeiras da Madeira criaram as condições necessárias para a colocação das jaulas em mar aberto.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill