A ECSA, a Associação dos Armadores Europeus, já se manifestou satisfeita com o relatório do parlamento Europeu sobre as migrações a ser aprovado na sessão plenária desta semana.

Depois do Parlamento Europeu ter revelado o texto do Relatório sobre as Migrações, onde se especificam as regras, preceitos e atitude a seguir pelos Estados-Membro no mar, a ECSA veio já elogiar o documento referido que o mesmo aponta no bom sentido.

Em particular, a ECSA destaca não só o facto de o documento descrever com detalhe o modo como a União Europeia deve enfrentar o desafio das migrações no mar mas também quanto respeita, em simultâneo, a outros importantes tópicos, como o tráfico humano, asilo, vigilância e defesa das fronteiras marítimas, bem como as questões relativas à e busca e salvamento.

Como refere o próprio Secretário-Geral da ECSA, Patrick Verhoeven, citado no respectivo comunicado, «os marítimos sempre cumpriram a sua parte no que respeita ao resgate d quantos em aflição no mar, tendo os respectivos navios mercantes, só no ano passado, salvo milhares de vida de migrantes e refugiados, sem risco próprio. Por isso, concordamos inteiramente com o relatório do Parlamento Europeu quando afirma ser necessário tudo fazer para que não se percam vias no mar, conferindo a adequado responsabilidade a cada Estado membro bem como dando agora outra importância a uma nova organização que permita uma permanente resposta em termos próprios, de busca e salvamento», referindo-se, naturalmente, no último caso, à nova Agência Europeia de Guarda Costeira e de Fronteiras.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill