Quinze anos depois do afundamento do navio, um Tribunal da Galiza confirmou a sentença do Supremo Tribunal espanhol e atribuiu direito a compensações a Espanha, à Galiza e a França
Mercosul Line
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Tribunal Provincial de La Coruña, na Galiza, confirmou a sentença do Supremo Tribunal de Espanha de Janeiro de 2016 sobre o derrame petrolífero do navio Prestige, 15 anos depois do famoso desastre ambiental, o maior de sempre ocorrido em Espanha e Portugal.

Na sequência desta confirmação, o comandante do navio, Apostolos Mangouras, e a seguradora The London P&I Club foram condenados a pagar 1,57 mil milhões de euros ao Estado espanhol. Ficou ainda definido que a Junta (Xunta) da Galiza deve ser compensada em 1,8 milhões de euros e a França em 61 milhões de euros. Outras compensações devem ser pagas pelo dono do navio, a Mare Shipping Inc., e pelo Oil Pollution Compensation Funds, um grupo de duas organizações inter-governamentais que atribui compensações por danos ambientais resultantes de derrames.

Em 2016, o comandante do navio já tinha sido condenado a dois anos de prisão por negligência, causadora do acidente, anulando uma decisão anterior que ilibara Apostolos Mangouras de responsabilidade criminal na ocorrência.

Recorde-se que o Prestige, um petroleiro com 26 anos, afundou-se em Novembro de 2002, depois de se partir em dois, ao largo da costa da Galiza. O resultado foi um derrame de cerca de 63 mil toneladas de combustível, provocando um prejuízo estimado em 3,4 mil milhões de euros.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill