Segundo o próprio, o motivo relaciona-se com denúncias sobre perseguições aos estivadores filiados no porto da Figueira da Foz em virtude da sua opção sindical
António Mariano
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O presidente do Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL), António Mariano, admitiu no blogue do sindicato que foi constituído arguido “na sequência de denúncias relativas a perseguições aos estivadores filiados no porto da Figueira da Foz em virtude da sua opção sindical”, segundo refere.

Na sequência dessa decisão, segundo o próprio, ficou sujeito a Termo de Identidade e Residência, uma das medidas de coacção previstas na legislação penal, e com isso impedido de “sair do país por um período superior a 5 dias, sem prévio conhecimento das autoridades”.

“Independentemente das tentativas de condicionamento”, segundo referiu, admitiu que o sindicato a que preside vai continuar “a lutar de todas as formas” consideradas adequadas “contra a precariedade, as perseguições de cariz sindical e as condições degradantes que alguns tentam perpetuar na maioria dos portos portugueses”.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill