O Comando-local da Polícia Marítima de Vila Real de Santo António desenvolveu, na madrugara do dia 25 de Julho, uma operação por terra e por mar, dirigida à atividade de pesca profissional com arte de arrasto – tipo ganchorra rebocada por embarcação, entre a barra do rio Guadiana e a praia de Monte Gordo.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Desta acção resultou na intercepção, em flagrante, de duas embarcação de pesca profissional espanholas, que operavam com artes de arrasto do tipo Ganchorra, dirigida à captura de bivalves (coquilha), espécime que se encontra interdita a sua captura por presença de toxinas, em período proibido (durante do arco nocturno), utilizando duas artes com características técnicas ilegais (dotadas de lâminas).

As artes e os bivalves foram apreendidos como medida cautelar e de polícia. Visto que se encontravam vivos e em bom estado de conservação, foram devolvidos ao seu habitat natural, as águas do mar. Das infracções detectadas, serão instruídos os respectivos processos contraordenação.

Na observância das restrições estabelecidas nos diplomas legais relativos à pesca, e ainda, como garantia da segurança da saúde pública, está proibido o exercício da pesca profissional dirigida a este espécime alvo na zona de produção – litoral L9, conforme publicação do IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera, de 21 de Junho de 2017, por contaminação com toxinas DSP.​



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill