Seis dias após a entrada em operação, a Marinha Norte-Americana revelou as imagens da primeira aterragem e descolagem realizada a partir novo Porta-Aviões USS Gerald Ford.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Como se pode ver no vídeo disponibilizado, o primeiro avião a aterrar no novo e mais sofisticado Porta-Aviões da Marinha Norte-Americana, o USS Gerald For, foi um Super Hornet F / A-18.

A importância do momento resulta também dos sistemas de retenção e catapulta serem novos e terem manifestado inicialmente alguns problemas, tendo inclusive conduzido a que o Presidente Donald Trump a instar a Marinha a regressar aos antigos sistemas a vapor.

Todavia, tanto os cabos de retenção como o sistema de lançamento electromagnético, ambos desenvolvidos integralmente para o Gerald Ford, funcionaram com pleno sucesso.

De acordo com a Marinha, o novo sistema de retenção, o AAG (Advanced Arresting Gear), controlado por software, além de oferece maior confiança e maior segurança, permite também uma maior interoperabilidade com uma maior variedade de aeronaves, bem como o novo sistema de lançamento, o EMALS projectado para fornecer mais energia, também se manifesta não apenas mais eficiente mas igualmente mais seguro, permitindo um maior controlo de velocidade, uma maior precisão e uma maior aceleração.

O USS Gerald Ford é o primeiro de três novos Porta-Aviões da Marinha Norte-Americana, seguindo-se-lhe o USS John F. Kennedy e a USS Enterprise.

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill