Washington quer enviar uma mensagem a Teerão e para isso vai reforçar o seu dispositivo na região com o USS Abraham Lincoln e a sua escolta
Vladimir Yemelyanov
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Conselheiro Nacional de Segurança dos Estados Unidos, John Bolton, anunciou que Washington vai enviar o destroyer USS Abraham Lincoln, até aqui baseado no Adriático, e respectiva escolta para o Médio Oriente como forma de aviso ao Irão, referem vários meios de informação internacionais.

Numa declaração citada na imprensa, Bolton declarou que esta deslocação de forças se destina “a enviar uma mensagem clara e inequívoca ao regime iraniano de que qualquer ataque aos interesses dos Estados Unidos ou dos seus aliados serão contrariados por uma força implacável”. O mesmo responsável considerou que os Estados Unidos não procuram a guerra com o Irão, estão preparados para responder a qualquer ataque, “quer seja por procuração, pelo Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (CGRI) ou pelas forças regulares iranianas”.

Bolton terá igualmente admitido que a deslocação do destroyer era “uma resposta a uma série de avisos e indicadores perturbadores e progressivos”. Recorde-se que na sequência das sanções de que tem sido alvo, o Irão ameaçou perturbar a navegação marítima no Estreito de Ormuz, que liga o Golfo Pérsico ao Oceano Índico e que uma fonte oficial norte-americana reconheceu que Bolton considerava essa ameaça dirigida às forças marítimas e terrestres norte-americanas baseadas na região.

Os Estados Unidos consideram que o Irão é uma força desestabilizadora no Médio Oriente e recentemente, Donald Trump considerou o CGRI um grupo terrorista, acusando-o de financiar e promover o terrorismo como instrumento de Estado. Trump acusou ainda o Governo de Teerão de usar esse grupo como principal forma de implementar uma campanha de terrorismo internacional.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill