O submarino português, em colaboração com uma unidade de treino operacional britânica, está a apoiar o treino da marinha de guerra do Reino Unido
NRP Arpão
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Até 2 de Maio, o submarino Arpão, da Marinha portuguesa, em colaboração com a Flag Officer Sea Training (FOST), a unidade treino operacional da marinha britânica, presta treino de guerra anti-submarina aos navios de superfície e helicópteros da “estrutura de treino da Marinha do Reino Unido”, segundo esclarece a Marinha nacional em comunicado.

O exercício, o Operacional Sea Training, é “um exigente treino operacional, sob a égide do FOST da Marinha do Reino Unido, destinado a treinar os navios em todo o espectro e ambientes das operações navais, maximizando a sua capacidade para combate, em especial de defesa contra ataques terroristas perpetrados a partir do mar”, refere a Marinha.

Na primeira semana de treinos, o submarino português operou como “unidade opositora à Força Naval constituída pelo destroyer americano USS Ross, o reabastecedor americano USNS WILLIAM MCLEAN, a fragata holandesa HNLMS DE RUYTER e as fragatas inglesas HMS MONTROSE e HMS DRAGON,  contando ainda com a ajuda de meios aéreos ingleses e franceses”, refere a Marinha.

Neste contexto, o Arpão também colabora com “o Centro de Instrução de Submarinos, no âmbito do Curso de Especialização de Submarinos para oficiais, sargentos e praças e do Estágio para Comandantes de Submarino”, diz a Marinha, acrescentando que “durante esta missão decorre ainda o exigente curso de Comandantes de Submarinos da Classe Tridente, onde os Comandantes alunos serão postos à prova nas diversas áreas da batalha externa e interna, para que, caso tenham sucesso, estejam preparados para comandar um Submarino desta classe”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill