UE corre o risco de falhar na protecção da fauna marinha devido às fracas ou inexistentes medidas para controlar problemas como a poluição sonora subaquática.
Marine Strategy Framework Directive
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Adoptada em Junho de 2018, a directiva da União Europeia (Marine Strategy Framework Directive) que obriga a cumprir objectivos relativamente à poluição sonora subaquática, corre o risco de não ser respeitada até 2020, segundo um relatório recente da OceanCare, do Fundo Internacional para o Bem-estar Animal (International Fund for Animal Welfare, ou IFAW), do Seas at Risk e do Natural Resources Defense Council (NRDC).

A falha na protecção do ambiente marinho europeu, apesar da obrigação para fazê-lo, está a tomar forma porque os Governos europeus, responsáveis por tomar medidas em várias áreas para tornar os mares limpos e saudáveis ​​novamente até 2020, não o fazem. Em vez disso, continuam a exigir pesquisas.

Os níveis sonoros nos oceanos estão a aumentar, causando irreversíveis danos à biodiversidade marinha, evoluindo para níveis de stress das espécies marinhas, surdez, deslocamento de habitats, reprodução reduzida e até morte.  Neste sentido, Eleonora Panella, Activista do IFAW, observou que a Comissão Europeia declarou, em Agosto de 2018, que os países europeus poderiam falhar o compromisso legal de enfrentar ameaças humanas ao meio ambiente marinho até 2020. Ainda assim, poderiam, por exemplo, impôr uma redução na velocidade dos navios, o que resolveria parte do problema do ruído, segundo o relatório, mas não o fazem.

“A Directriz Marinha já foi adoptada há dez anos. E, ao que parece, a maioria dos Estados prefere falar sobre a questão em vez de implementar acções de conservação concretas para reduzir os níveis de ruído nos oceanos”, referiu Eleonora Panella.

“Precisamos de uma estratégia clara para a eliminação gradual das actividades sísmicas que são realizadas para procurar novos recursos de petróleo e gás no fundo do mar. Até lá, deveriam ser empregues tecnologias menos ruidosas”, concluiu.

Ainda assim, a Seas at Risk deixa algumas recomendações para diminuir o problema do ruído subaquático: reduzir a velocidade dos navios, exigir o desenvolvimento de energias alternativas neste sentido, exigir avaliações de impacto ambiental e identificar zonas de exclusão de ruído e habitats sensíveis.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill