Evento vai decorrer entre 22 e 25 de Julho no Terminal de Cruzeiros, em Lisboa
The Tall Ships Races

A cinco meses da chegada da regata à capital nacional e já estão registados 37 veleiros. O último nome a surgir foi o navio português Santa Maria Manuela, que assegurou estar presente na The Tall Ships Races Lisboa 2016 que decorre entre 22 e 25 de Julho, no Terminal de Cruzeiros entre Santa Apolónia e o Terreiro do Paço.

Dos 37 navios confirmados 15 estão inseridos na categoria A – embarcações com comprimento total superior a 40 metros. Valor que, segundo a organização, ultrapassa os registados na edição de 2012.

Ao Santa Maria Manuela, navio que participou nas famosas campanhas de pesca do bacalhau à linha, juntam-se ainda mais quatro embarcações rumo à maior Aventura dos 7 Mares. O LOA (Dinamarca), o Dar Mlodziezy (Polónia), o Cuauhtémoc (México) e o Belem (França), todos de Classe A, farão também parte da regata.

O programa inclui quatro dias com muitas actividades. Entre elas a possibilidade de subir a bordo e conhecer estes e outros grandes veleiros do mundo, atracados ao longo de 1,5 km de cais. Já aos jovens a partir dos 15 anos é-lhes dada a possibilidade de embarcarem na regata, mediante uma inscrição – ler artigo “APORVELA quer 500 tripulantes no The Thall Ship Race

A The Tall Ships Races Lisboa 2016 é co-organizada pela APORVELA – Associação Portuguesa de Treino de Vela, Câmara Municipal de Lisboa, Administração do Porto de Lisboa e Lisbon Cruise Terminals.

A entrada no evento é livre.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill