O Governo Regional dos Açores e o Conselho Regional das Pescas não chegam a acordo no assunto das restrições

O executivo pretendia um período de defeso de dois meses na captura do goraz, 7% das capturas e 20% do valor de todo o pescado da região, em resposta à quota atribuída pela União Europeia. As associações locais demonstram reservas quanto a este período e o tamanho dos animais, particularmente em S. Miguel e Sta. Maria.

Não houve também consenso no Conselho Regional das Pescas em relação à proposta de distribuição das quotas de goraz por ilha, embora neste caso a solução encontrada tenha sido a de deixar que a Federação de Pescas tente encontrar um consenso com as associações do sector, nos próximos 15 dias.

O Governo dos Açores apresentou hoje aos parceiros sociais das pescas um “documento de trabalho” com propostas de “medidas estratégicas” para o sector que tem como objectivo central” a pesca regional.

Neste contexto, o executivo propõe a criação de “áreas marinhas protegidas”, em que a pesca é restringida ou proibida; um aumento da fiscalização, para diminuir o pescado não declarado e que foge à lota, um estabelecimento de períodos de defeso, a revisão dos tamanhos mínimos dos peixes que podem ser pescados e maiores restrições à pesca lúdica.

O presidente da Federação de Pescas considera as medidas do Governo uma melhoria do sector, mas pede a rapidez da passagem à prática.

 

 

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill