Comunidades Portuárias do continente reuniram-se no porto de Leixões

As Comunidades Portuárias dos Portos Portugueses do Continente, que representam os portos de Viana do Castelo, Leixões, Sines, Figueira da Foz, Lisboa, Aveiro e Setúbal, pretendem apoiar o Governo para que no prazo de 25 anos os portos nacionais atinjam um volume de carga movimentada de 200 milhões de toneladas, muito acima dos 82 milhões registados em 2014.

Esta foi uma das conclusões do 3º Encontro destas Comunidades Portuárias, que decorreu no porto de Leixões, dia 17 de Novembro, com a presença de 18 delegados. Outra das preocupações manifestadas pelos representantes dos portos foi a «aparente inacção» que rodeia os investimentos nos projectos resultantes do PETI face ao reduzido prazo para a sua execução no Quadro 2020.

Os delegados «consideram imprescindível, não só, aproveitar todos os fundos financeiros disponíveis para a concretização dos projectos elencados no PETI, mas também repensar profundamente os processos do negócio portuário de modo a encontrar ganhos de eficiência e de eficácia nos nossos portos, ganhos que possam ser passados à cadeia logística sob a forma de redução do custo de trânsito das cargas».

Concluíram igualmente que a abrangência das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação, o modelo de governance, bem como o acompanhamento do sector portuário pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e pela Autoridade da Concorrência, são determinantes para Portugal reforçar a sua posição competitiva no sector portuário e no comércio internacional. Nesse contexto, serão necessários compromissos de longo prazo dos decisores políticos e de agentes do sector e seguida uma estratégia de recuperação da centralidade atlântica dos portos portugueses, concluíram os delegados.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill