Aos 81 anos, faleceu Jacques R. Saadé, fundador daquela que seria, até hoje, uma das principais empresas de transporte marítimo do mundo. Nascido no Líbano, deixou o país em 1978 por causa da guerra civil, rumo a Marselha, onde fundou a empresa, cuja direcção transferiu para o filho, Rodolphe Saadé, em 2017
Jacques R. Saadé

No passado dia 24 de Junho, faleceu o fundador da CMA CGM, Jacques R. Saadé, com 81 anos. Nascido no Líbano, deixou o país em 1978, na sequência da guerra civil que ali deflagrara, para fundar, em 13 de Setembro desse ano, em Marselha (França), a Compagnie Maritime d’Affretement (CMA), que converteria numa das principais empresas mundiais de transporte marítimo, com presença em mais de 160 países.

Dotado de inegável visão e capacidade empresarial, Jacques R. Saadé lançou a CMA apenas com 4 colaboradores, um navio e um serviço marítimo entre Marselha e Beirute. Em 1983, pela primeira vez, enviou navios para lá do Mediterrâneo, fazendo-os atravessar o Canal de Suez. Três anos depois lançou o primeiro serviço entre a Europa do Norte e a Ásia, para em 1992 abrir o primeiro escritório da empresa em Xangai.

Para desenvolver o negócio, combinou um crescimento interno sólido com aquisições estratégicas: a CGM, em 1996, a ANL, em 1998, e a Delmas, em 2005. Graças a esta evolução, conseguiu estabelecer presença nos principais mercados globais e em 2006 a CMA CGM era já a terceira empresa de transporte marítimo de contentores de todo o mundo. Em Fevereiro de 2017, nomeou o filho, Rodolphe Saadé, CEO da empresa e Chairman do Conselho de Administração. O seu percurso empresarial valeu-lhe diversas distinções francesas e internacionais.

 

Nota: A foto foi retirada do portal oficial da CMA CGM

 



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill