O novo modelo de calçado da Adidas, com materiais que provém do lixo marinho e redes de pesca, já foi divulgado pela marca

A multinacional anunciou no início do ano que ia fabricar um modelo de ténis desportivos a partir do lixo recolhido nos oceanos. Agora que o modelo está feito e já tem uma imagem para apresentar no mercado, a Adidas destacou a presença de redes de pesca na sua criação.

As campanhas que várias marcas anunciaram vão utilizar o lixo recolhido num novo esforço para a evolução da economia circular. Além da Adidas, a H&M, a Ecover, várias marcas ligadas ao surf e até da indústria naval olham para esta forma de utilização como forma de conseguir materiais e melhorar a imagem, depois de episódios de mau marketing e campanhas de ONGs como o Greenpeace.

Quem recolheu as redes fantasma para os sapatos foi o Sea Shepherd, colaborador da Adidas na campanha, com a Parley for the Oceans, o principal parceiro. Por agora, os alvos vão ser os lixos de praia e as redes de pesca ilegal ao largo das zonas costeiras dos E.U.A.

Os microplásticos também estão na agenda desta nova forma de fazer economia circular, mas os empresários e parceiros dizem que ainda não o podem fazer, pois a tecnologia para tornar tais recolhas bem sucedidas ainda não estão disponíveis.

A Parley for the Oceans está a fazer algumas pesquisas no campo tecnológico, mas para mudar o plástico. Um dos seus engenheiros químicos mencionou aos media americanos estar a trabalhar num químico que os dissolva antes de entrarem no mar.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill