A Ecoslops, empresa francesa sediada no Porto de Sines e a primeira a desenvolver tecnologia para produzir, de forma sustentável, combustíveis navais a partir de resíduos de óleos marinhos refinados (slops), anunciou a emissão, com sucesso, de obrigações ORNANE convertíveis até ao valor nominal de 5,5 milhões de euros.

O capital será usado para acelerar o desenvolvimento de novos projectos, após a confirmação da validade da exploração comercial da sua primeira fábrica de micro-refinação instalada no porto de Sines (ver Jornal da Economia do Mar de Abril de 2015), a par do desenvolvimento da operação inicial que se espera poder atingir uma capacidade máxima de produção até final do corrente ano, ou seja, de 2 500 toneladas mensais ou 30 000 toneladas/ano.

Segundo Vincent Favier, Director Executivo da Ecoslops, a micro-refinaria de Sines tem demostrado plenaa capacidade para transformar cerca de 98% dos resíduos de hidrocarbonetos em produtos comercializáveis e certificados, superando, até agora, largamente, as expectativas.

Em simultâneo, a Ecoslops anunciou igualmente ter atingido em 2015 um volume global de receitas na ordem dos 2,7 milhões de euros geradas a partir das suas actividades mais tradicionais, onde se incluem desde os serviços prestados a navios e indústrias, bem como a recolha de resíduos de hidrocarbonetos no porto.

Neste momento a Ecoslops planeia já o desenvolvimento de novos projectos no Porto de Contança, no Mar Negro, no Porto de Abidjan, na Costa do Marfim, bem como duas novas instalações na designada região de ARA (Antuérpia-Roterdão-Amesterdão) e, previsivelmente, ainda uma outra no Mediterrâneo

Com a experiência de Sines, a Ecoslops espera poder baixar os custos de investimento realizados em Sines, na caso dos 20 milhões de euros, para 10-12 milhões, e com uma capacidade acrescida de produtividade até 35 000 toneladas/ano.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill