Cadeias de comércio electrónico como a Amazon ou a Alibaba têm vindo a revolucionar o mundo da logística e o transporte marítimo não pode ficar indiferente a essa mesma revolução baseada essencialmente no mundo digital.

Num estudo agora publicado pela UK’sTransport Intelligence, é defendido não poderem os operadores de serviços de logística deixar de atender à evolução do comércio electrónico sob risco de ficarem completamente ultrapassados.

Nesse enquadramento, estudando a evolução de empresas como a Amazon, sobretudo, mas também como a Alibaba, CNOVA, eBay, JD.com, John Lewis, Tesco e Walmart, a tese defendida é que o comércio electrónico está a afectar e a modificar significativamente as cadeias logísticas um vez as exigências dos clientes em termos de permanente interacção, seguimento e informação sobre o estádio da encomenda e previsão de consequente entrega dos respectivos produtos, ser hoje uma exigência absolutamente primordial e decisiva.

Nesse enquadramento, analisando também as estratégias seguidas por alguns operadores logísticos, como a Clipper Logistics, DPDHL, Japan Post, SEKO and XPO Logistics, o estudo alerta igualmente de atender ás prioridades dos clientes e à necessidade de acompanhar a evolução tecnológica de perto, sob pena de perderem significativos volumes de encomendas, onde se inclui igualmente, como é evidente, o próprio transporte marítimo.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill