A partir de 1 de Janeiro do próximo ano, os dois países vão conceder a si mesmos 90 dias para solucionar o conflito comercial entre ambos, sob pena de a Administração Trump aumentar as taxas aduaneiras sobre produtos chineses importados pelos Estados Unidos e de assim agravar as relações comerciais entre os dois países e a economia global
ECSA
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Os Estados Unidos e a China anunciaram uma trégua na guerra comercial entre ambos com a duração de 90 dias, a começar em 1 de Janeiro de 2019. A partir dessa data, os Estados Unidos vão manter as tarifas alfandegárias sobre 200 mil milhões de dólares (176,6 mil milhões de euros) em 10% em vez de as subirem para 25%, conforme estava previsto. Em contrapartida, a China comprometeu-se a aumentar a aquisição de produtos industriais, agrícolas e energéticos dos Estados Unidos. E ambos os países vão começar negociações para ultrapassar o conflito. Todavia, se nos 90 dias não houver um acordo conclusivo, os Estados Unidos aplicarão a taxa aduaneira de 25% inicialmente prevista.

Poucos detalhes foram dados pelas partes sobre este entendimento, conseguido, ou pelo menos anunciado, durante a cimeira do G20, em Buenos Aires, na Argentina, e que poderá ser o início do fim de uma guerra comercial que, pelo peso dos seus protagonistas, afecta o comércio e a economia à escala mundial. Durante o intervalo de 90 dias, os negociadores procurarão porventura obter compromissos relativamente a taxas aduaneiras mais estáveis e regras mais flexíveis para os investimentos mútuos.

Entretanto, a Federação Nacional de Retalhistas (National Retail Federation) dos Estados Unidos elogiou Donald Trump pelo entendimento alcançado, designadamente “pelos seus esforços para restaurar uma relação comercial justa e equilibrada com a China” e por ter dado uma hipótese à diplomacia, assim evitando, pelo menos temporariamente, o aumento de taxas alfandegárias.

É claro que a Administração ouviu as vozes daqueles que são impactados negativamente pelas taxas existentes”, referiu a federação, acrescentando que espera que os 90 dias “possam conduzir a uma resolução positiva que remova as tarifas todas e melhore as relações comerciais entre a China e os Estados Unidos”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Seminário WavEC 2018

    4 Dezembro, 2018 - 5 Janeiro, 2019
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill