A segunda etapa da Discoveries Race 2019 que ruma à Madeira tem quatro embarcações a competir.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A segunda etapa da Discoveries Race 2019 teve início este Domingo, com saída do Padrão dos Descobrimentos. Rumo ao Funchal, Madeira, estão, neste momento, quatro embarcações: o Oceana Dos, o Swing, Proteína Sesentaycinco, o NRP Polar e o NRP Zarco, pela ordem que seguiam na última actualização. 

No jantar da entrega de prémios da primeira etapa Manuel Vilas Boas, familiar de Fernão de Magalhães, enumerou algumas iniciativas que estão a ser levadas a cabo no âmbito do Fernão de Magalhães, além desta, uma grande honra para a família que cede, inclusivamente a medalha para o vencedor. 

O Tejo “transbordava”. Em terra uma multidão a acompanhar a partida da regata e mais perto, uns quantos veleiros faziam-no também. Ouve-se a buzina. A quatro minutos da partida, o Nautilus deixa uma mensagem aos participantes uma vez ter sido o vencedor da Discoveries Race 2017 e não poder defender o título, este ano. A estratégia adoptada cedo se mostrou díspar – houve quem começasse mais próxima de terra e quem preferisse a linha central. 

O vento a 13 nós de velocidade deixou, no entanto, alguns veleiros para trás. Um deles, o Anixa II, que por motivos de força maior não participará nas próximas etapas da regata. Ainda assim, o Jornal da Economia do Mar continuará a acompanhar a regata. 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill