Num seminário sobre logística, Ana Paula Vitorino adiantou que os portos nacionais estão à beira de um resultado histórico em ternos de movimentação de carga
Iémen
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

“Antevejo que 2017 será um ano marcante para os portos portugueses, perspectivando-se alcançar o resultado notável de 100 milhões de toneladas”, considerou ontem a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, referindo-se à expectativa do movimento de mercadoria no conjunto dos portos nacionais e que poderá atingir este ano uma marca que a governante considera histórica.

A afirmação foi feita durante uma conferência internacional sobre «Logística e Cadeias de Abastecimento-Nova Era, Novos Desafios», organizada pela Comunidade Portuária de Sines (CPSI), Administração do Porto de Sines (APS), a aicep Global Parques e a Câmara Municipal de Sines, e que decorreu no Centro de Negócios ZILS – Zona Industrial e Logística de Sines, com a presença de vários especialistas e o objectivo de analisar o futuro do sector portuário e discutir o reforço da oferta disponível no Complexo Industrial e Portuário de Sines (porto de Sines e ZILS).

No encontro, segundo a Cargo, José Simão, Director-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), referiu que o “Ministério do Mar vai constituir um grupo de trabalho para desenvolver o conceito legal de Porto Seco”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill