O conceito de porto seco, aprovado em Conselho de Ministros em Fevereiro, entrará em vigor em Julho
Porto seco
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Foi publicado na 4ª feira em Diário da República o Decreto-lei que define o conceito de porto seco e estabelece as regras relativas à sua utilização. O diploma fora aprovado em Conselho de Ministros em Fevereiro, conforme demos conta neste jornal, e entrará em vigor no dia 1 de Julho próximo.

Em causa está a criação de pontos de concentração de mercadorias, comunitárias ou não comunitárias e integrados com a Janela Única Logística (JUL), utilizados para armazenar mercadorias para exportação e importação, situado numa zona interior, fora dos limites dos portos marítimos.

O objectivo é “facilitar e aumentar as transferências de mercadorias, destinadas à importação e exportação entre armazéns de depósito temporário” e “tratar toda a informação, por via electrónica, gerindo a circulação de mercadorias, contentores e meios de transporte utilizados”, conforme se lê num documento explicativo do diploma.

No mesmo documento esclarece-se que a criação de portos secos “contribui para a rápida movimentação das mercadorias que circulam entre armazéns de depósito temporário”, para o “descongestionamento dos portos, aumentando a sua capacidade para movimentar mais mercadorias” e aumentar “a competitividade dos actores envolvidos no transporte e dos sectores exportador e importador nacionais”.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill