Para Genuíno Madruga, a lei vai aumentar a precaridade nas pescas dos Açores
Brexit
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O empresário, pescador e navegador solitário Genuíno Madruga afirmou recentemente à RTP que a lei que obriga os armadores a pagarem um salário aos pescadores, em vigor desde Setembro de 2018, “foi um erro tremendo” que vai aumentar a precaridade no sector das pescas dos Açores.

A lei a que se refere aquele que também é conhecido como o primeiro português a dar a cruzar o Cabo Horn em solitário, em viagem à volta do mundo do Atlântico para o Pacífico, em 2008, é um acordo de contratação colectiva estabelecido entre a Federação de Pescas dos Açores e os sindicatos de pescadores.

Nas mesmas declarações à RTP, Genuíno Madruga refere que não antevê “um futuro risonho para a pesca do atum, tendo em conta os moldes actuais em que é feita”, pensando “mais na quantidade do que na qualidade”. E refere não compreender porque é que embarcações registadas em Portugal, a pescar em águas portuguesas, operam com empresas estrangeiras, levando para o exterior, quer o pescado, quer o dinheiro.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. IV Grande Conferência JEM

    Janeiro 22 - Janeiro 23
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill