Para proteger o ambiente e património da Humanidade, como os fiordes, a Noruega irá restringir ainda mais o uso de alguns combustíveis marítimos em determinados locais
Norwegian Maritime Authority
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A Noruega produziu legislação que prevê a revisão das regras sobre emissão de poluentes e descargas de navios nas zonas de fiordes, designadamente, em Nærøyfjord, Aurlandsfjord, Geirangerfjord, Sunnylvsfjord e Tafjord. Com esta medida, a Autoridade Marítima da Noruega (AMN) pretende garantir uma melhor pegada ambiental nestas áreas, recordando que os fiordes são património da Humanidade.

A nova proposta de legislação inclui regras mais restritivas para a emissão de enxofre e um teor de enxofre de 0,1% nos combustíveis marítimos em zonas de fiordes que são património mundial da Humanidade. Inclui também requisitos mais exigentes para a emissão de azoto, proibições de descarga de resíduos e regras sobre a utilização de exaustores de gases de escape de navios (scrubbers).

No caso específico dos scrubbers, é proposta uma proibição do seu uso nestas zonas, quer sejam de circuito aberto, quer de circuito fechado. Quanto aos navios que usam este sistema, propõe-se que o usem com diesel marítimo em vez de o usarem com combustíveis mais pesados (heavy fuel oil) sempre que navegam nestas áreas.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Da Cartografia na Antiguidade até à Cartografia Portuguesa

    Novembro 16 @ 15:00 - 17:30
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill