Sob o pretexto de “investigação de baleias” para estudo posterior, o Japão pretende capturar até Março de 2019, 333 baleias Minke, que poderão acabar por ter um destino comercial
Whale Pump
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

O Japão começou a movimentar as suas embarcações para uma nova operação de investigação de baleias no Oceano da Antárctida no passado dia 12 de Novembro, segundo meios de comunicação internacionais.

E como parte desta missão, as embarcações saíram do porto de Shimonoseki, no município de Yamaguchi, para apanhar 333 baleias Minke, até Março de 2019. A bordo do Yushin Maru, de 724 toneladas, e do Yushin Maru No. 3, de 742 toneladas, os caçadores irão ao encontro da embarcação mãe, o Nisshin Maru, de 8,145 toneladas, antes de seguir para sul.

Esta é a quarta expedição de baleias desde que o Japão recomeçou as suas pesquisas em 2015, e depois de dois anos de suspensão devido às conclusões do Tribunal Internacional de Justiça (ICJ, sigla em inglês) de Haia, em 2014, que proibiu a caça de baleias na Antárctida.

O Japão alegou e continua a alegar que a sua prática serve para fins de estudo, no entanto, o mundo continua a assistir à tortura e captura, para fins comerciais, de baleias na Antárctida por parte deste país.

Note-se que a Conservação de Baleias e Golfinhos (WDC, sigla em inglês), tem realizado uma campanha para impedir que a União Europeia aceite um novo acordo de livre comércio com o Japão com o objectivo de impedir que continue o massacre das baleias. O Parlamento da União Europeia votará em Dezembro, sendo que muitos eurodeputados já levantaram individualmente esta questão com grande preocupação pelas baleias e seu ambiente marinho.



Um comentário em “Japão continua a caçar baleias”

  1. Daniel Leal diz:

    Estes são os verdadeiros terroristas. Não o Sea Shepherd !!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill