No 1º semestre deste ano, o terminal de cruzeiros de Leixões registou mais 29% de escalas e 64% de passageiros do que no período homólogo de 2016
APDL
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Depois do recorde em passageiros e escalas de navios nos primeiros cinco meses do ano, que antecipou 2017 como o melhor ano de sempre (previsão de 100 mil passageiros e 103 escalas), os dados do 1º semestre do terminal de cruzeiros de Leixões confirmam esta expectativa, agora reforçada para 104 mil passageiros e 105 escalas.

Segundo a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), as escalas no terminal de cruzeiros daquele porto no 1º semestre de 2017 cresceram 29% e o número de passageiros subiu 64% face ao período homólogo de 2016, atingindo 45 navios e 40.9917 passageiros, sobretudo britânicos, alemães, americanos e japoneses.

Face ao período homólogo de 2015, o melhor ano em cruzeiros para o porto de Leixões, 2015, os dados de 2017 “traduzem ainda um crescimento de 15% no número de escalas e de 24% no número de passageiros”, refere a APDL. Os dados de 2017 indicam igualmente que no 1º semestre seis navios fizeram escala inaugural no porto de cruzeiros de Leixões, num total de 11 agendadas até ao final do ano.

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Oceans Meeting

    Setembro 7 - Setembro 8
  2. Colóquio: Sines, o Porto e o Mar – História e Património

    Setembro 7 - Setembro 9
  3. X Congresso da APLOP

    Setembro 11 - Setembro 12
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill