Segundo a Drewry, o transporte de carga contentorizada nesta rota deve crescer ao logo do ano, apesar da quebra no primeiro trimestre
CMA CGM
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Embora o movimento de carga contentorizada na rota entre a América do Norte e a Costa Leste da América do Sul tenha caído 1% no primeiro trimestre, a consultora Drewry estima que este movimento aumente gradualmente ao longo do resto do ano, segundo refere o World Maritime News. Já haverá indícios da recuperação na procura, mas uma lenta reforma económica e incertezas políticas tornarão a recuperação difícil, de acordo com a consultora.

Segundo o jornal, o Brasil tem a maior quota desse movimento no sentido sul-norte (85%), deixando a restante para países como Argentina, o Uruguai e o Paraguai, mas registou um abrandamento no tráfego de mercadorias no primeiro trimestre devido à diminuição na procura de commdoties, como materiais em pedra, ferro e aço e plásticos, nos Estados Unidos.

No sentido norte-sul, que registou um crescimento de 2% deste comércio no primeiro trimestre, mais acentuado em Janeiro, o Brasil mantém o lugar principal (70% de quota das importações provenientes dos Estados Unidos).

A Drewry lembra que só existem cinco serviços semanais a operarem nesta rota, quatro dos quais usam um total de 30 navios de aproximadamente 6 mil TEU e um com nove navios de 3.400 TEU. Desde Abril, os quatro maiores operadores nesta rota são a MSC (30% da capacidade nominal instalada), a Hamburg Sud/Maersk Line (27%), a Hapag-Lloyd (23%) e a CMA CGM (15%).

A Drewry prevê que essa capacidade cresça em Maio e Junho, resultante de um carregador extra e actualização da frota no serviço GS1/US Gulf/ANG da MSC/Hapag-Lloyd/ONE e tirando partido do aumento da capacidade média por navio, de 6.100 para 6.230 TEU.

.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill