Incerteza gerada pelo Brexit diminui expectativas de crescimento do sector face à valorização que ocorreu entre 2010 e 2015
Nautilus International
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

A indústria marítima britânica movimenta cerca de 45.600 milhões de euros e deverá registar uma valorização de apenas 3% a 5% para os próximos cinco anos face aos 14% que valorizou entre 2010 e 2015, segundo um relatório do Center for Economics and Maritime Research do Maritime UK, uma associação que reúne os principais operadores do sector no Reino Unido.

O mesmo relatório revela que os empregos gerados pelo sector passou de 179 mil, em 2010, para 185.700, em 2015, e que o volume de negócios do sector supera outras actividades, como a indústria aeroespacial e de defesa.

Apesar desta relevância, o sector enfrenta uma incerteza considerável quanto ao futuro, especialmente devido a tudo o que envolve o Brexit, uma conclusão que o próprio relatório refere. Uma incerteza que se agravou desde Agosto e que incide sobre o relacionamento que o Reino Unido terá, em particular, com a União Europeia, a partir de Março de 2019, quando se concretizar a saída da organização.

Estes dados não invalidam declarações de confiança no futuro de David Dingle, chairman da Maritime UK, segundo as quais o Brexit será mesmo uma oportunidade para o sector se expandir, tendo em conta uma liberdade negocial que passará a possuir e todo o peso da tradição marítima britânica.

 

 



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill