Inquérito da WSC conclui que existe uma tendência para menos perdas de contentores no mar, excluindo situações de catástrofe
Contentores
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

No triénio 2014-2016, a indústria do transporte marítimo de mercadoria reduziu o número médio de contentores perdidos no mar, excluindo por motivos de catástrofe, face ao triénio anterior, concluiu um inquérito da World Shipping Council (WSC), uma das vozes internacionais do sector.

Segundo a WSC, o número médio de contentores perdidos no mar, sem ser por motivos de catástrofe, em cada um dos três anos analisados – 2014, 2015 e 2016 – foi de 612, menos 16% do que a média anual do triénio anterior – 2011, 2012 e 2013 – que foi de 733.

Se considerarmos as perdas por motivos de catástrofe, entre 2014 e 2016, a média anual passa para 1.390, 56% dos quais atribuídas precisamente a razões de catástrofe. Mesmo essa média representa uma diminuição de 48% face à média correspondente do triénio anterior (2.683).

O elevado número desse triénio está relacionado, essencialmente, com dois factores, refere a WSC. Um foi a perda total do MOL Confort, no Índico, com toda a sua carga de 4.293 contentores, em 2013. Outro foi o afundamento e perda do M/V Rena, ao largo da Nova Zelândia, e de 900 contentores, em 2011.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Greenfest

    Setembro 28 - Outubro 1
  2. Logística e Cadeias de Abastecimento

    Outubro 11 @ 9:30 - 18:00
  3. 1ª Feira e Congresso Trabalhar num Navio

    Outubro 19 @ 11:00 - 19:30
  4. MOST Iberia 2017

    Outubro 21 - Outubro 24
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill