Quem o diz é a consultora Alphaliner, que considera que apesar do excesso de capacidade instalada, os super navios de carga continuam a ser encomendados pelos operadores
Alphaliner
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Apesar do excesso de capacidade instalada, os mega navios porta-contentores (ultra large container ships ou vessels, ULCS/ULCV, na gíria) não parecem estar em vias de serem substituídos por navios mais pequenos, segundo a consultora Alphaliner, citada pelo World Maritime News.

Segundo a Alphaliner, os operadores continuarão a encontrar formas de preencher esses enormes navios e um bom exemplo desta realidade é o recente recorde mundial anunciado pela Ocean Network Alliance (ONE) com o seu navio MOL Triumph, que terá carregado 19.190 TEU numa viagem de Singapura para o Norte da Europa, e de aqui demos conta.

Diz a consultora que este recorde também tenderá a ser ultrapassado, à medida que forem sendo introduzidos os navios com capacidade para 23 mil TEU. O MOL Triumph tinha capacidade para pouco mais de 20 mil TEU. E o jornal lembra que até agora já foram entregues 95 navios com capacidades acima das 18 mil TEU, estando mais 45 sob encomenda.

Ainda com base em dados da Alphaliner, o jornal refere que o excesso de capacidade instalada continuará a ser um desafio para os operadores, que já demonstram sinais de stress. Exemplos disso estão nas empresas que já foram forçadas a deslocar os seus mega navios das rotas entre a Ásia e o Norte da Europa.

Curiosamente, esta tendência para aumentar cada vez mais a dimensão dos navios de carga contrasta com a que se verifica na aviação comercial, onde os operadores estão a preferir aviões mais pequenos, considerados mais fáceis de preencher e susceptíveis de mais ligações directas entre grandes plataformas (ou hubs) e destinos menores.



Um comentário em “Mega porta-contentores não cedem lugar a navios menores”

  1. Américo Manuel da Silva Lourenço diz:

    Qual será a rentabilidade, segurança e eficiência na operações destes mega navios de contentores, quando temos ouvido falar já várias vezes que se fala em implementar sistemas abordo que vão permitir a autonomia de navios?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

  1. Selvagens Ilhas Afortunadas

    Junho 6
«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill