Segundo a IHS Markit, o registo grego perdeu 52 navios e os armadores gregos passaram a deter menos 131 navios entre Março de 2018 e Março deste ano
Hyundai Heavy Industries
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someone

Em 6 de Março, as empresas gregas controlavam 4.017 navios de várias categorias, totalizando 339,54 milhões de toneladas de porte bruto (deadweight tonnage) e 198,16 milhões de toneladas de arqueação bruta, menos 131 navios, menos 2,37 milhões de toneladas de porte bruto e menos 1,12 milhões de toneladas de arqueação bruta do que no ano anterior, segundo dados da empresa analista de informação IHS Markit, citados pelo World Maritime News.

Segundo o jornal, apenas 17% destes navios estavam registados na Grécia, o que significava menos 52 unidades do que no ano anterior. Em 6 de Março, estavam registados com pavilhão grego 671 navios, equivalentes a 68,26 milhões de toneladas de porte bruto (20,1% do porte bruto de toda a frota controlada por armadores gregos) e a 39,98 milhões de toneladas de arqueação bruta.

Neste momento, a frota detida por armadores gregos representa 7,2% do número total de navios em todo o mundo, 15,9% do porte bruto global e 13,4% da arqueação bruta mundial.

Ainda de acordo com o jornal, a Libéria e as Ilhas Marshall estavam na dianteira dos registos de navios. A Libéria tem 840 navios registados sob controle de armadores gregos e as Ilhas Marshall têm 838 navios sob registo detidos por armadores gregos. Ou seja, os armadores gregos detêm mais navios com pavilhão estrangeiro do que nacional.

Refere a mesma publicação que face ao ano anterior, a Libéria conquistou 16 registos e as Ilhas Marshall 14. Já nos registos de pavilhão cipriota, panamiano e maltês ocorreram perdas de registo (respectivamente menos 26, menos 18 e menos 7).



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximos eventos

De momento não existem próximos eventos.

«Foi Portugal que deu ao Mar a dimensão que tem hoje.»
António E. Cançado
«Num sentimento de febre de ser para além doutro Oceano»
Fernando Pessoa
Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto.
Vergílio Ferreira
Só a alma sabe falar com o mar
Fiama Hasse Pais Brandão
Há mar e mar, há ir e voltar ... e é exactamente no voltar que está o génio.
Paráfrase a Alexandre O’Neill